O BOM QUE ERA MAU – UIRÁ MACHADO – FOLHA DE SP

Para o presidente, é tudo ou nada, amigo ou inimigo, bom ou mau

17.out.2019

Bolsonaro parece viciado em criticar a imprensa. Ontem, por exemplo, atacou o jornal O Globo porque o diário carioca não trouxe em sua primeira página notícia sobre a medida provisória que garante pagamento de 13º aos beneficiários do Bolsa Família.

“Será que é papel do jornal só publicar notícia ruim ou fofoca?”, questionou o presidente durante conversa com jornalistas. Mais tarde, ele fez questão de usar suas redes sociais para divulgar a declaração.
Que fique claro: não há problema nisso. Bolsonaro não é o primeiro e não será o último governante a reclamar da cobertura jornalística. 

O curioso, nesse caso, é que a manchete do jornal exibido pelo presidente nada tinha de ruim ou de fofoca: “Senado aprova distribuição de dinheiro do leilão do pré-sal”.

Para Bolsonaro, contudo, a ausência de uma informação que ele gostaria de ter visto em primeiro plano equivale à ausência de qualquer informação que possa ser lida em chave neutra ou positiva. Na lógica maniqueísta do presidente, é tudo ou nada, amigo ou inimigo, bom ou mau, sem espaço para sutilezas.

Bolsonaro em cerimônia de assinatura da Medida Provisória do Contribuinte Legal – Antonio Cruz/Agência Brasil

Esse tipo de enquadramento do mundo funciona bem no universo virtual e até gera frutos para políticos populistas, mas de nada serve para quem quer levar adiante um debate sério sobre o mundo real.

Tome-se o caso do Bolsa Família. No passado, ainda como deputado, Bolsonaro afirmou que o programa era um sistema de compra de votos. Desse ponto de vista, a concessão do 13º pagamento seria boa notícia?

Como a realidade não se deixa capturar por teorias simplistas, no mesmo dia em que Bolsonaro falou do Bolsa Família, o IBGE divulgou informações sobre o recorde na desigualdade de renda no país. É chocante.
O Brasil é ainda tão pobre que uma pessoa com renda média mensal um pouco acima de R$ 5.000 é mais rica que 90% da população.

Certamente não é papel do jornal publicar apenas notícia ruim. Mas, vamos combinar, faz tempo que as coisas não estão boas por aqui.

Uirá Machado

Bacharel em direito e em filosofia, é secretário-assistente de Redação. Foi editor da Ilustríssima e de Opinião, repórter de Poder e coordenador de Artigos e Eventos

O BOM QUE ERA MAU – UIRÁ MACHADO – FOLHA DE SP
Rolar para o topo