O dilema de Pazuello e dos militares da ativa que servem ao governo – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Ou voltam aos quartéis ou passam para a reserva

Por Ricardo Noblat – Atualizado em 15 Jul 2020, 08h44 – Publicado em 15 Jul 2020, 08h00

ALINHADOS - O presidente e Pazuello: críticas à imprensa que mostra caixões Joedson Alves/EFE

Hoje faz dois meses que o país está sem ministro da Saúde. Escolhido para ministro interino depois da queda de dois médicos que o antecederam no cargo, o general de brigada Eduardo Pazuello, especialista em logística, enfrenta dificuldades até mesmo para distribuir 46 milhões de testes do Covid-19.

Mais de 20 militares, todos da ativa, ocupam funções chaves no ministério. Mas nem eles, nem o general produziram até agora algo capaz de fazer diferença, a não ser para pior. Por ordem superior, tentaram esconder os números reais da pandemia que matou até ontem mais de 74 mil pessoas e infectou 1,9 milhão.

À falta de meios para enviar aos Estados remédios a tempo e a hora, o secretário-geral do ministério, um coronel, orientou governadores e secretários de Saúde a comprar o que lhes falta mesmo a preços superfaturados. Para não se encrencarem com a Justiça, aconselhou-os a denunciar os que lucraram com isso.

Genocídio parece uma palavra forte usada pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, para denunciar um governo relapso que assiste, inerte, o que se dá quando um vírus tem passe livre para matar parte da população. Mas quando a inércia é deliberada, é de genocídio ou morticínio que se trata.

O presidente Jair Bolsonaro não expediu ordem alguma por escrito para que deixassem o vírus agir em paz. Mas Hitler também não expediu ordem alguma por escrito para que dessem início à chamada “Solução Final” – o extermínio em massa de judeus, ciganos, homossexuais e outras minorias na Alemanha nazista.

O que pretendeu Bolsonaro ao vetar trechos do projeto de lei aprovado pelo Congresso que garantia aos índios e quilombolas água potável, material de higiene, leitos hospitalares e de terapia intensiva, ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea, além de alimentação e auxílio emergencial durante a pandemia?

Pretendeu ajudá-los, negando-se a lhes garantir as mínimas condições de sobrevivência? Ou economizar a custa de sua extinção? Nem todos os judeus da Alemanha que se desejava ariana morreram nas câmaras de gás. Milhares morreram de fome e de doenças em guetos e campos de concentração.

É o risco que correm, hoje, os povos tradicionais do Brasil, ou o que resta deles. Mais de 500 índios já morreram vítimas do coronavírus e dos seus cúmplices. Em ato falho, o general Hamilton Mourão, vice-presidente, já admitiu: “Se nosso governo falhar, errar demais, essa conta irá para as Forças Armadas”.

O general Pazuello está diante de um dilema que lhe foi proposto por seus companheiros de farda: passar à reserva e ser efetivado como ministro da Saúde, ou deixar o cargo e retornar à tropa. Com isso, os militares imaginam fortalecer a narrativa de que não são responsáveis pelos desacertos do governo Bolsonaro.

Ingênua pretensão. Entre os quase 3 mil militares empregados no governo, quantos ainda estão na ativa? Poderão permanecer na ativa? Por que os comandantes das Forças Armadas não os põem diante do mesmo dilema que atormenta Pazuello? Só assim terão condições de sustentar narrativa tão perecível e enganosa.

O dilema de Pazuello e dos militares da ativa que servem ao governo – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo