O medo como professor – MIRIAN GOLDENBERG, FOLHA

Por mais paradoxal que possa parecer, o medo pode ensinar a ser mais livre e feliz

Antes da pandemia, eu estava escrevendo um livro sobre os meus medos. No ano passado fiquei muito doente e, após consultar cinco médicos, decidi que iria me curar sem tomar o antidepressivo que todos recomendaram.

Como fiz mais de vinte anos de análise e li incontáveis livros de psicologia e filosofia, descobri que todas as respostas para os meus medos já estavam dentro de mim. E que escrevendo eu poderia colocar para fora os demônios que me aprisionam.

Escrever sobre o medo foi catártico. Constatei que nunca deixei de ser a mesma menininha magrinha e apavorada com as brigas, surras e gritos que testemunhei em casa. A menina que escolheu ser invisível, e se esconder dentro de um armário, para se proteger das agressões e violências que sofreu. Até hoje sinto inveja das meninas que têm uma família amorosa e protetora.

Mulher em box de banho coloca a mão no vidro tapando o próprio rosto
Com a pandemia, novos medos vieram para o primeiro plano – carol_anne – stock.adobe.com

Com a pandemia, todos os medos que me deixaram doente ficaram em segundo plano. Um medo muito maior se tornou protagonista. Medo de morrer, medo de perder meus amigos, medo de não conseguir fazer nada de relevante para as pessoas que eu amo.

O medo continua, muito forte, mas decidi enfrentá-lo de frente. Estabeleci alguns propósitos e a minha prioridade hoje é cuidar dos meus amigos nonagenários e combater a velhofobia no Brasil. Em mais de cinco meses só precisei de remédio uma única vez. Em uma noite de insônia, quando todos os fantasmas do passado surgiram e a lembrança das violências que sofri provocaram uma ansiedade extrema, achei melhor tomar um calmante para controlar o pânico.

Sei que nunca vou conseguir superar completamente os medos infantis. No entanto, o fato de estar sentindo um pânico tão devastador está me ensinando a compreender os meus medos mais profundos. E me ajudando a ter a coragem de me libertar dos obstáculos que sempre me impediram de ser mais livre e feliz.

O que o medo pode lhe ensinar?

Mirian Goldenberg

Antropóloga e professora da Universidade Federal do Rio, é autora de “A Bela Velhice”.

O medo como professor – MIRIAN GOLDENBERG, FOLHA
Rolar para o topo