O NAZISTA NO ARMÁRIO E OUTRAS – VINICIUS T. FREIRE, FOLHA

Nazista sai do armário, mas corrupção e arrochão são as crises na gaveta

Denúncia contra o filho 01, disputa palaciana e arrochão são os problemas reais

A crise do nazista que saiu do armário na Cultura deve se desfazer como espuma. O lodo torvo de onde emanam essas borbulhas permanecerá, sim, mas as próximas conturbações do governo não devem vir daí.

No Planalto, na Educação e no Itamaraty, principalmente, o expurgo da “esquerdalha”, de “globalistas” cosmopolitas e de “pessoas anormais” em geral, além da recuperação da arte e da cultura “degeneradas”, são um programa de governo, embora confuso e subletrado. 

Esse plano não ousa dizer seu nome nem é articulado como Roberto Alvim, que explicitava sua política Goebbels desde que assumira a secretaria. Mas, embora seja parte do bolsonarismo e de sua paranoia essencial, não deve preocupar o público em geral, a elite política operante e menos ainda os donos do dinheiro.

Esse ruído de fundo fascista não causava sensação até esse surto de exibicionismo do secretário da Cultura, aliás não muito diferente dos shows de narcisismo juvenil perturbado do ministro da Educação.

Até que o governo tenha força para dobrar instituições de modo que quebrem (dobrando já está), o trabalho de demolição deve ser gradual. Dificilmente vai afetar interesses maiores do bloco no poder do país (não apenas no governo); o assunto não é de interesse maior do povo comum.

Por isso, a crise do “gauleiter” da Cultura parece espuma.

Em 2018 Jair Bolsonaro derrotou o candidato Fernando Haddad, alçado à candidatura pelo PT após o ex-presidente Lula, então preso há seis meses, ser declarado inelegível. Na primeira aparição após a vitória, Bolsonaro prometeu “desamarrar” o Brasil, “[libertar] o Itamaraty das relações internacionais com viés ideológico” e, ao lado de apoiadores e de sua esposa, fez uma oração Pedro Ladeira/Folhapress – 1.jan.2019Leia Mais

O risco de tumulto vem de outra parte. Jair Bolsonaro se elegeu também com a promessa de ser um herói do expurgo da corrupção. Um rasgo sério nessa fantasia pode ameaçar sua base de apoio popular. Caso seu prestígio caia abaixo dos 30%, se torna refém ou caça de predadores políticos.

A ameaça óbvia é o processo de seu filho Flávio Bolsonaro, que vai ser denunciado por algum tipo de corrupção nas próximas semanas, caso que deve envolver mais gente da família e agregados.

De resto, investigações dos meios independentes de comunicação restantes, como as desta Folha, têm revelado rolos que atingem quase um quarto do ministério.

Os Bolsonaro querem reagir.

O governo vai retaliar. Como o mostra a revista Veja desta semana, esmiúça contratos da Globo. Não deve parar por aí, pois a fúria contra a mídia cresce no Planalto, assim como a pressão familiar e de íntimos políticos e ideológicos para que se reorganize tanto o núcleo de propaganda (“comunicação”) como o de espionagem (“inteligência”) do governo.

Outra vez, Carlos Bolsonaro, o filho 02, quer tomar e revolucionar a comunicação oficial; com outros aliados, quer reforçar o “trabalho de inteligência” do Planalto.

A desarticulação política do governo, dentro do Planalto ou fora dele, é ainda um risco.
O comando político da Economia conversa com o Congresso, mas despreza os articuladores do Planalto, que por sua vez não têm lideranças no Congresso e têm de lidar com a pressão tríplice da filhocracia.

Os problemas concretos imediatos são, pois, o risco de espraiamento do escândalo de rachadinhas e milícias em torno de Flávio, a tentativa de atacar a mídia com mais força e a desarticulação política ameaçar a aprovação de projetos de arrocho fiscal, essenciais para a sobrevida do governo.

Na economia, Bolsonaro pode contar com o apoio acidental do premiê informal Rodrigo Maia, que, no entanto, não pode fazer milagres se os parlamentares estiverem inquietos e indóceis. Pode haver fadiga de arrocho, ainda mais em ano eleitoral; ainda mais se o crescimento voltar muito devagar.

Vinicius Torres Freire

Jornalista, foi secretário de Redação da Folha. É mestre em administração pública pela Universidade Harvard (EUA).

O NAZISTA NO ARMÁRIO E OUTRAS – VINICIUS T. FREIRE, FOLHA
Rolar para o topo