O RECUO DE TRUMP E A TENSÃO NO AR – MIRIAM LEITÃO – O GLOBO, RJ

COLUNA NO GLOBO

O recuo de Trump e a tensão no ar

Houve um claro recuo do presidente Trump ontem e ficou evidente a pressão dos chefes militares para que os Estados Unidos não entrassem em nova guerra no Oriente Médio. No final da tarde, notícias de mísseis katyusha, próximos à embaixada americana em Bagdá, reduziram a sensação de alívio que havia se espalhado após a fala de Trump. Qualquer que seja a evolução dos eventos, contudo, aumentou muito o clima de desconfiança no mundo nos últimos dias. Este ano, em que o presidente americano lutará contra a ameaça de impeachment e pela reeleição, será um tempo pantanoso. Trump fará o que lhe trouxer dividendos eleitorais.

No Brasil também houve recuo. Aquela nota da sexta-feira, apoiando o assassinato de Qassem Soleimani, foi apagada pelas palavras e pelos silêncios. Ela era estranha à tradição diplomática brasileira e não defendia os interesses do Brasil. Desde terça-feira à noite, o Planalto começou a sair de fininho da primeira posição e corrigiu a rota. É demorada demais a curva de aprendizado do governo Bolsonaro. Ontem, ele disse que “muitos acham que o Brasil deve se omitir”. Defender o entendimento, a negociação, os órgãos multilaterais não é se omitir. É ter uma posição. A mais sensata.

O que fica de todo esse episódio é que a forma imprevisível e intempestiva de Trump agir teve um duro embate com a realidade. Segundo os analistas da televisão americana os comandantes militares deixaram claro para ele que não apoiariam uma guerra com o Irã.

A cópia do pronunciamento sendo trocada no pódio, a demora em começar a falar e o evidente nervosismo de Trump mostraram que ele viveu um momento de revés. Por outro lado, aproveitou para fazer campanha. Criticou o acordo nuclear que foi firmado pelo ex-presidente Barack Obama e do qual ele saiu. Porém, se ele insistisse nas ameaças iniciais e houvesse qualquer retaliação no território americano — apesar da desproporção das forças — “o impacto psicológico entre os americanos seria devastador”, avalia um diplomata que acompanha os eventos. E poderia ter consequências eleitorais negativas para o presidente.

Trump minimizou o ataque às bases no Iraque, deixando claro que não pretende responder ao “tapa na cara” do líder iraniano Ali Khamenei. O fato de o sistema de alerta ter funcionado, e não ter havido mortes, deixa-o confortável com essa posição. Mas, ao longo dos últimos dias, Trump recuou várias vezes, como daquela ideia tresloucada de atacar monumentos históricos persas. Outro sinal de recuo foi Trump ter falado ontem em entrar em contato com líderes parceiros da Otan. Ele dizia antes que era uma instituição falida e agora diz que quer que a organização multilateral assuma um papel preponderante na região.

Trump flertou com a guerra, teve vários problemas, inclusive críticas do seus próprios aliados por estar traindo a promessa de retirar os Estados Unidos dos conflitos do Oriente Médio. Por outro lado, é fundamental que ele consiga que os outros signatários do acordo com o Irã — Alemanha, França, Rússia, China, Reino Unido e União Europeia — também queiram renegociá-lo. Quando o acordo foi assinado, o ministro da Economia da Alemanha foi com uma delegação comercial a Teerã para mostrar que o país queria estabelecer fortes laços econômicos com o Irã. Os interesses são outros.

O temor de analistas é que o bombardeio das bases não seja considerado suficiente para a opinião pública iraniana, que vive clima de comoção. E ontem a retomada das hostilidades mostrava que a história ainda não terminou. Os mísseis katyusha, contudo, são de pouca precisão e baixa autonomia de voo. São muito usados pelos palestinos para fustigar Israel ou pelas milícias. Os observadores acham que o uso deles ontem confirma a impressão de que o Irã pode ter optado por uma série de ações de desgaste dos americanos, seus aliados e suas bases no Iraque.

Para a economia do Brasil tudo isso vem em hora muito ruim, em que começam a aparecer dados de recuperação. O aumento da incerteza não ajuda. Ontem o Banco Central divulgou que a saída de dólares na conta financeira foi a maior em 37 anos, de US$ 62,2 bi. Em parte é a aversão a risco que subiu com a guerra comercial entre Estados Unidos e China, em parte é fuga de capital especulativo, com a queda dos juros. Não dá para negar, no entanto, que o grande fator foi o governo Bolsonaro e sua impressionante capacidade de criar crises e conflitos. Isso afasta investidores.

Com Alvaro Gribel (de São Paulo)

O RECUO DE TRUMP E A TENSÃO NO AR – MIRIAM LEITÃO – O GLOBO, RJ
Rolar para o topo