O troco chinês não demorará muito a ser dado – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Bolsonaro não perde por esperar

Por Ricardo Noblat – 27 maio 2020, 09h00

Bandeira da China 15/11/2019 REUTERS/David Gray – RC19E9804EE0 David Gray/Reuters

Uma vez que o serviço secreto chinês tem informantes dentro do governo brasileiro, como admitiu o presidente Jair Bolsonaro, a essa altura já sabe o que foi dito sobre a China na reunião ministerial de 22 de abril último.

Os trechos do vídeo da reunião censurados pelo ministro Celso de Mello mais revelam do que escondem. Ali ficou clara a ojeriza de Bolsonaro e de alguns dos seus ministros ao maior parceiro comercial do Brasil no mundo.

Justamente por tal condição é que eles não querem bater de frente com o governo comunista chinês. Sentem-se obrigados a aturá-lo e vivem sob a pressão do agronegócio, parte da base eleitoral de Bolsonaro.

Mas as relações entre os dois países foram abaladas. E o Brasil pagará caro por isso, e também por estimular manifestações hostis que se repetem semanalmente em Brasília há pouca distância da embaixada da China.

O governo chinês é reconhecido por seu pragmatismo, mas a história do Império do Meio ensina que ele não engole desaforos. A paciência milenar nada tem a ver com conformidade, mas com sabedoria.

O troco chinês não demorará muito a ser dado – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo