O truque de Eduardo Bolsonaro – PEDRO DORIA – ESTADÃO

O truque de Eduardo Bolsonaro

O filho Zero Três não está nem aí para a China. Mas conseguiu tirar parte do foco da incompetência de seu pai na lida com a pandemia, agradar os seguidores e evitar que redes e jornais fossem dominados pelo panelaço. 

 Por Pedro Doria – O Estado de S. Paulo

O deputado Eduardo Bolsonaro

O deputado Eduardo Bolsonaro

No final da tarde de quarta-feira, o deputado Eduardo Bolsonaro partiu para um inacreditável ataque contra a China, no Twitter, acusando seu governo de ser responsável pela pandemia do novo coronavírus. Naquela noite, ocorreu o segundo e, até agora, mais extenso panelaço contra o governo Jair Bolsonaro. Nesta semana, estudos começaram a mostrar que a má conduta do presidente perante a crise sanitária pela primeira vez criou fissuras em sua base online. Todos esses eventos estão diretamente relacionados um com o outro.

A tática do filho Zero Três é velha conhecida dos Bolsonaros. Quando alguma crítica começa a pegar num lado, cria-se uma crise no outro de forma a esvaziar o debate inicial. A família presidencial não inventou o truque. Ele faz parte do arsenal que vem sendo desenvolvido por uma aliança informal e internacional de extremas direita que têm até sua própria rede social. O Gab.

Pegue-se o maior mestre dessas práticas no Twitter – o presidente americano Donald Trump. Seu arsenal na rede é vasto, mas há duas ferramentas que usa toda hora.

Uma é dar apelidos àqueles de quem não gosta. Seja nome de jornais que fazem uma cobertura dura (“the failing New York Times”), seja de adversários políticos (“crooked Hillary Clinton”). Trump mantém a marca sempre. Se vai citar um destes, é com o apelido. A outra ferramenta é o uso de uma linguagem direta, uma lógica simplista ao ponto de ignorar quaisquer complexidades do mundo real, não raro salpicada de erros ortográficos.

Quem pensa em política de forma tradicional se perde. Um presidente da República deveria estar preocupado em compreender os problemas em sua profundidade. Deveria falar não apenas com um grupo restrito de seguidores fanatizados, mas com todos. E deveria agir com educação, sem gerar atritos, porque negociar com todos faz parte da descrição de trabalho.

O problema é que Trump não compreende assim ser presidente. Para ele, é um jogo de manutenção de poder, derrota do outro e apenas. O objetivo não é governar. É ganhar. Visto dessa forma, sua atuação faz todo sentido.

Ao consistentemente atacar de forma humilhante aqueles que ele percebe atrapalharem sua vitória, envia um sinal para seus seguidores. Os apelidos marcam as pessoas. Assim, políticos e repórteres passam a ser constantemente assoberbados de mensagens com ataques partindo de todo o país, a toda hora. Aqueles que ganham apelidos de Trump vivem as redes sociais como um pesadelo constante. É abrir e um turbilhão de ataques aguarda, vindo de milhares de pessoas. Um dia após o outro, abala psicologicamente. Gera ruído na comunicação. 

Sempre que um repórter ou um político gasta tempo respondendo as pessoas que brutalizam, ele sai do foco das críticas à atuação do presidente. É uma forma de neutralizar.

Os erros de ortografia, as lógicas simplistas, incoerentes ou mesmo fantasiosas, seguem caminho similar. Porque professores, jornalistas, políticos e especialistas terminam por responder. Assim, Trump pauta o debate. Aquele debate inútil sobre o nada domina as plataformas das redes sociais. E os pontos pelos quais ele vinha sendo criticado são esquecidos. No fundo, o objetivo é gerar ruído e confusão, fazer com que inúmeros debates ocorram em paralelo, é fazer com que seus críticos percam tempo e percam foco. Funciona.

O filho Zero Três não está nem aí para a China. Mas conseguiu tirar parte do foco da incompetência de seu pai na lida com a pandemia, agradar os seguidores e evitar que redes e jornais fossem dominados pelo panelaço. 

Mas a maioria dos brasileiros não fica ligada no Twitter o tempo todo

O truque de Eduardo Bolsonaro – PEDRO DORIA – ESTADÃO
Rolar para o topo