O Viagra não resolverá – RUY CASTRO, FOLHA

O Viagra não resolverá
Segundo Bolsonaro, as Forças Armadas não estão broxas, mas com reumatismo

Nelson Rodrigues disse certa vez, “Se todos conhecessem a vida sexual uns dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém”. Por sorte, a maioria das pessoas mantém certo recato e, com isso, continuamos a cumprimentá-las sem nos perguntarmos onde botam a mão. Nesta semana, no entanto, falou-se dos possíveis desaires pessoais de membros de uma categoria por definição viril: os militares. As Forças Armadas compraram 35.320 comprimidos de Viagra para seus homens.

Ao ouvir a notícia, e sabendo que o Viagra é um remédio para a disfunção erétil, vulgo impotência, o Brasil estremeceu de rir —imagine um bando de oficiais provectos tendo de apelar para o comprimido a fim de bater continência. Aos que me vieram falar, aconselhei respeito: “Esse assunto não nos compete. E daí se há milhares de generais, almirantes e brigadeiros broxas? Em que isso interfere na pintura de postes e faxina dos quartéis?”.

Mas então, Jair Bolsonaro —que sonegou enquanto pôde as vacinas anti-Covid ao povo brasileiro— justificou a compra alegando as outras funções cobertas pelo Viagra: sua eficácia no tratamento da hipertensão arterial e das doenças reumáticas. Por um lado, é tranquilizador: nossos militares estão em dia quanto à performance sexual. Em compensação, estão com a pressão lá no alto, a ponto de explodir as artérias, e com os ligamentos, músculos e tendões em pandarecos, daí o surto de lumbago e bico-de-papagaio entre eles.

Isso, sim, é preocupante. Imagine se Bolsonaro perder a eleição e tentar melá-la botando na rua seus másculos atiradores, “colecionadores” de armas, milicianos, seguranças, bombeiros, PMs, suboficiais do Exército e aspirantes, tropa que apascenta desde que assumiu? Como reagirão nossas hipertensas e reumáticas Forças Armadas, supostas detentoras do poder armado no país? Irão combatê-los ou aderir?

Seja como for, não será o Viagra que resolverá.

O Viagra não resolverá – RUY CASTRO, FOLHA
Rolar para o topo