Onda bolsonarista virou marolinha – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO

Por Bernardo Mello Franco15/11/2020 • 23:37O candidato à prefeitura de SP Celso Russomano visitou o Presidente Jair Bolsonaro após cirurgia, em 26 de setembroO candidato à prefeitura de SP Celso Russomano visitou o Presidente Jair Bolsonaro após cirurgia, em 26 de setembro | Reprodução

A onda que varreu as urnas em 2018 virou marolinha nas eleições municipais. Há dois anos, Jair Bolsonaro impulsionou a vitória de azarões e aventureiros em todo o país. Agora colhe fiascos na maioria das disputas em que se meteu.

O presidente pediu votos em seis capitais. Em quatro delas, seus candidatos naufragaram ainda no primeiro turno. Em Manaus, Coronel Menezes amargou um quinto lugar. No Recife, Delegada Patrícia terminou em quarto. Em Belo Horizonte, Bruno Engler ficou em segundo, mas não conseguiu nem 10% dos votos válidos.

Em São Paulo, Bolsonaro teve uma tripla derrota. Seu aliado Celso Russomanno, que liderava as pesquisas, derreteu e acabou na quarta posição. Os dois finalistas não querem conversa com o capitão. Bruno Covas já dispensou qualquer hipótese de apoio, e Guilherme Boulos faz oposição radical ao Planalto.

Os candidatos bolsonaristas só passaram ao segundo turno no Rio e em Fortaleza. O prefeito Marcelo Crivella, com rejeição na casa dos 60%, dificilmente terá fôlego para virar a disputa com Eduardo Paes. Na capital cearense a disputa entre José Sarto e Capitão Wagner foi mais equilibrada. Mas os votos da terceira colocada, a petista Luizianne Lins, agora tendem a migrar para o pedetista.

O presidente teve mais um revés em seu berço político. Seu filho Carlos Bolsonaro perdeu o título de vereador mais votado do Rio. Foi ultrapassado por Tarcísio Motta, do PSOL. A outra representante do clã, Rogéria Bolsonaro, teve míseros dois mil votos.

A família ainda colheu uma derrota anedótica no estado. Apontada como assessora fantasma do capitão, Wal do Açaí tentou se eleger vereadora de Angra dos Reis com o nome de Wal Bolsonaro. Apesar do empenho e do sobrenome do patrão, só atraiu 266 eleitores.

Numa tentativa de encobrir o vexame, Bolsonaro apagou o post em que pedia votos para seus candidatos. Não adiantou. No fim da noite, sua tropa adotou outra tática diversionista. Passou a usar o atraso na divulgação de resultados para disseminar teorias conspiratórias sobre fraude nas urnas.

Onda bolsonarista virou marolinha – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO
Rolar para o topo