Palmeiras teve muitos momentos de ótimo futebol com Abel, mas retrocedeu – TOSTÃO, FOLHA

Palmeiras teve muitos momentos de ótimo futebol com Abel, mas retrocedeu
Maratona pode diminuir qualidade de atuações, mas não justifica eliminação no Mundial

A maratona de jogos do Palmeiras é um fato que pode diminuir a qualidade das atuações, mas não é a causa principal da derrota para o Tigres. Os maiores motivos são as deficiências técnicas, táticas e individuais. Não houve também surpresa. As duas equipes estão no mesmo nível. Nessa partida, o time mexicano foi superior.

Enquanto o Tigres se agrupava e trocava passes, o Palmeiras, novamente, abusava dos chutões e das bolas longas da defesa para o ataque, com os jogadores distanciados uns dos outros. O meio-campo não existia. A bola só passava por cima. O mesmo aconteceu em várias outras partidas, nas que ganhou e nas que perdeu. O time, após a vitória sobre o River Plate, gostou tanto das bolas longas para a correria de Rony que passou a priorizar essa jogada, até virar a única estratégia.

O Palmeiras é mais um exemplo que o estilo de várias equipes se dá pelas características de alguns atletas. O Barcelona, na época de Guardiola, trocava tantos passes e tinha tanta posse de bola porque havia Iniesta e Xavi, dois supercraques no meio-campo. O Palmeiras confiou demais na velocidade dos atacantes, especialmente na de Rony. Ele é apenas um bom jogador, corredor. Não pode ditar a maneira de jogar de uma equipe.

No Tigres, o volante brasileiro Rafael Carioca tocava, recebia, tocava, não errava um passe nem perdia uma bola. Quando jogou no Atlético-MG, o jogador era, com frequência, vaiado e criticado. Achavam que era muito lento. O mesmo ocorreu com o volante Maicon, no São Paulo. No ambiente do Grêmio e com a ajuda de Renato Gaúcho, mostrou talento e eficiência.

O meio-campo, repito por mais de 20 anos, foi desvalorizado, durante décadas, no futebol brasileiro. Era dividido apenas entre os que marcavam e os que atacavam. Isso tem mudado lentamente.

O Palmeiras, com Abel Ferreira, teve muitos momentos de ótimo futebol, mas retrocedeu nos últimos jogos, tanto nas vitórias quanto nas derrotas.

Os melhores técnicos de todo o mundo perceberam que a questão não é ser impositivo, ser ofensivo e pressionar, ou ser reativo e jogar nos contra-ataques. É utilizar as duas maneiras, de acordo com o momento e com o adversário.

O Manchester City, na goleada sobre o Liverpool, por 4 a 1, pressionava e, quando perdia a bola e não conseguia recuperá-la, voltava todo para o próprio campo e fechava os espaços.

Guardiola passou a fazer isso, após um início de competição muito ruim. A equipe se recuperou e é líder do Campeonato Inglês. O Manchester City de Guardiola é bem diferente do Barcelona da época em que Guardiola era o treinador. O técnico e o futebol evoluíram.

O Bayern, que disputa na quinta (11) o título mundial contra o Tigres, é um time que pressiona, acelera e cadencia, troca passes curtos e longos e joga com velocidade e sem pressa. Possui no meio-campo um craque, Kimmich, que faz tudo bem, marca, dribla, passa e finaliza. É o volante-meia. É um meio-campista.

O Bayern organiza as jogadas pelo centro, desvia a bola às laterais, que a retornam rapidamente ao meio, onde está muito bem posicionado o excepcional finalizador Lewandowski, pelo alto ou pelo chão.

O futebol mudou muito nos últimos dez anos e não para de evoluir. Em um jogo, precisamos olhar para os números e para o gramado. Primeiro, para o gramado. O futebol é mais que uma ciência. É também arte e emoção. Deveria ser analisado pelas estatísticas, pela técnica, pela estratégia e pela imaginação.

Tostão
Cronista esportivo, participou como jogador das Copas de 1966 e 1970. É formado em medicina.

Palmeiras teve muitos momentos de ótimo futebol com Abel, mas retrocedeu – TOSTÃO, FOLHA
Rolar para o topo