Para a desratização do país – RUY CASTRO, FOLHA

Para a desratização do país
O problema é que, quando saísse, o Dicionário já estaria desatualizado

A ideia de um Dicionário Brasileiro da Corrupção, lançada esportivamente aqui na quinta-feira (31), caiu bem para muitos leitores. Um ou outro perguntou se era um projeto meu. A resposta é não, até porque não é tarefa para uma pessoa. Sua produção exigiria um batalhão de historiadores, economistas e cientistas políticos e sociais dispostos a aturar o fedor de nossos governos e instituições.

Nesse Dicionário, nenhum governante sairia ileso. Os da Primeira República (1889-1930) mantiveram o país sob o mais grosso atraso por 40 anos, com eleições viciadas, desenvolvimento zero e 80% de analfabetos, enquanto sustentavam os oligarcas do café. Getúlio, em 1930, tomou medidas modernizantes, mas a ditadura do Estado Novo (1937-45) foi um festival de cupinchas e interventores corruptos, sem falar em prisões, torturas, mortes, Congresso fechado, censura e o monumental culto à sua personalidade. Corrupção não é só roubar.

O período constitucional (1946-64) teria também muito de podre a dizer, com destaque para a construção de Brasília por JK. A ditadura que se seguiu (1964-85) foi uma farra de obras faraônicas, fortunas repentinas, “milagres” maquiados, recessões e calotes, além das crueldades inerentes às ditaduras. Depois tivemos Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma e Temer, com seu rico histórico de licitações fraudadas, planos econômicos, confiscos, paraísos fiscais, reeleição comprada, estelionato eleitoral, mensalão, petrolão, malas de dinheiro etc. E agora, sob Bolsonaro e seus ferrabrases civis e fardados, vivemos o acanalhamento geral do Brasil, com risco de nova ditadura, esta abertamente fascista.

O Dicionário não trataria só dos presidentes, mas também de seus operadores e beneficiários na área política e empresarial. Os quais sempre foram legiões.

Ele contribuiria para uma desratização do país. O problema é que, quando saísse, já estaria desatualizado.

Para a desratização do país – RUY CASTRO, FOLHA
Rolar para o topo