PARAISÓPOLIS E A INDIFERENÇA DOS GOVERNANTES – BRUNO BOGHOSSIAN, FOLHA DE SP

Papo ‘linha dura’ na segurança vem casado com apatia em relação a vítimas inocentes

A Polícia Militar foi a Paraisópolis para impedir a realização de um baile funk. Um dos agentes ficou escondido atrás de uma parede e, entre uma risada e outra, agredia com um pedaço de madeira os frequentadores, que saíam do pancadão com as mãos para cima.

Um vídeo com essas imagens apareceu depois que nove jovens morreram durante uma operação na favela paulista, no domingo (1º). A PM correu para divulgar a informação de que a cena nada tinha a ver com a tragédia do fim de semana. A gravação havia sido feita no dia 19 de outubro, na mesma região.

A ideia era rebater parte das críticas à atuação dos policiais que encurralaram milhares de pessoas no episódio mais recente, fazendo com que vítimas fossem pisoteadas nas vielas. Mas a resposta foi esclarecedora por outro motivo. Comprovou que a truculência policial é um método mais do que recorrente por ali.1 12

Eduardo Silva, 21 anos, ajudante de oficina. Ele é uma das nove vítimas que morreram na madrugada de domingo (1º), durante uma ação da PM em um baile funk na favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo 

 

Depois da morte dos nove jovens, o governador João Doria convocou uma entrevista, lamentou o caso e afirmou que o estado “tem o melhor sistema de segurança preventiva”.

O que se viu no domingo, porém, não tinha nada de preventivo. Policiais disseram que perseguiam dois suspeitos. Atiraram bombas de efeito moral numa área onde estavam mais de 5.000 pessoas. Cercaram os frequentadores e bateram com cassetetes em quem já estava no chão.

Doria declarou que o baile funk nem deveria ter ocorrido e que as mortes não foram provocadas pela polícia. Acrescentou que “a política de segurança pública do estado de São Paulo não vai mudar”.

Um desavisado poderia imaginar que o tucano se vangloriava de uma estratégia sofisticada de inteligência, com planos requintados para desarticular grupos criminosos. Estava apenas atrás dos dividendos de um discurso cada vez mais perigoso.

O paulista não é o único. O papo do “tiro na cabecinha” vem acoplado a uma indiferença corriqueira em relação a vítimas inocentes. É essa apatia dos governantes que patrocina a brutalidade vista em Paraisópolis.

Bruno Boghossian

Jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).

PARAISÓPOLIS E A INDIFERENÇA DOS GOVERNANTES – BRUNO BOGHOSSIAN, FOLHA DE SP
Rolar para o topo