Pensar como pensa o poder – GABRIELA PRIOLI, FOLHA

O Twitter devolveu a Bolsonaro a força que ele não tem

A palavra é acomodação.

O centrão começou a semana querendo a cabeça de Ernesto Araújo e, para manter o hábito, mais espaço nos Ministérios. Derrubou Araújo e pôs uma cadeira dentro do Palácio.

Do outro lado, tínhamos um Bolsonaro enfraquecido, menosprezado, precisando reavivar a sua falsa imagem de líder forte.

O que ele fez, em troca de dar mais poder ao centrão, foi pedir mais espaço para construir sua narrativa. Começou o dia fraco, terminou fortalecido pelo medo que pairou nas redes. O Twitter devolveu a Bolsonaro a força que ele não tem.

Uns mais preocupados com o poder de fato, outros, com parecer fortes. Não me parece uma escolha difícil para Valdemar Costa Neto, o líder do partido que agora senta na Secretaria de Governo, que tem 265 seguidores no Twitter. Em troca da cadeira, o centrão concedeu a Bolsonaro o direito ao show para as redes. Lira, que recentemente fez um discurso duro sobre remédios amargos, estava mais tranquilo, ao menos publicamente, nessa segunda.

O palhaço levanta o picadeiro, mas quem manda no circo é o dono, por trás das cortinas.

Sobram as Forças Armadas. Pensemos sobre isso. A insatisfação com a tentativa de instrumentalização pelo “mau militar” não começou na segunda. As divisões internas, obviamente, antecederam a crise.

O movimento da segunda transformou o que era “racha mais crise na imagem” por “racha mais um editorial elogioso desta Folha“. Uma instituição que teve a imagem amarrada à catástrofe da péssima gestão da pandemia, agora se apresenta, ao menos em parte, como defensora da democracia. Sinto que tenha demorado tanto. Não é de hoje que Bolsonaro acena para a instrumentalização de setores insubordinados do Exército e da polícia. Pode até parecer que a convicção democrática se fortaleceu diante da queda de popularidade do governo.

Nessa equação complexa, um ator sempre perde: o povo. Devemos permanecer atentos e tentar pensar como pensa o poder.

O general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira foi indicado por Bolsonaro para comandar o Exército. Ele já foi comandante Militar do Norte e era chefe do Departamento-Geral de Pessoal, responsável também pela saúde na corporação.
O tenente-brigadeiro do ar, Carlos de Almeida Baptista Junior, foi o escolhido por Bolsonaro para comandar a Aeronáutica. Ele já foi comandante-geral da área de logística da Força Aérea.
O almirante Almir Garnier Santos foi escolhido pelo presidente Bolsonaro como o novo comandante da Marinha. Ele esteve na Secretaria-Geral do Ministério da Defesa.
O general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira foi indicado por Bolsonaro para comandar o Exército. Ele já foi comandante Militar do Norte e era chefe do Departamento-Geral de Pessoal, responsável também pela saúde na corporação.
O almirante Almir Garnier Santos foi escolhido pelo presidente Bolsonaro como o novo comandante da Marinha. Ele esteve na Secretaria-Geral do Ministério da Defesa.

O comandante da Marinha, almirante Almir Garnier (esq.); o novo ministro da defesa, general Braga Netto; o comandante do Exército, general Paulo Sérgio, e o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior. Pedro Ladeira – 31.mar.21/FolhapressLeia Mais

Pensar como pensa o poder – GABRIELA PRIOLI, FOLHA
Rolar para o topo