PLANALTO TORCE PARA QUE TOFFOLI OUÇA BOLSONARO E NÃO CELSO DE MELLO – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS NO UOL

O Supremo Tribunal Federal entrará em recesso na quinta-feira (2). Caberá ao presidente da Corte, Dias Toffoli, tomar as decisões inadiáveis durante o mês de julho. Auxiliares de Jair Bolsonaro acendem velas para os deuses do plantão, rogando que a decisão sobre o formato do depoimento do presidente à Polícia Federal seja tomada por Toffoli, não por Celso de Mello.

Bolsonaro prefere ser interrogado por escrito. Reivindica o mesmo tratamento que o ministro Luís Roberto Barroso assegurou a Michel Temer. No inquérito sobre Portos, por deferência do ministro, Temer refugou o depoimento presencial, preferindo responder às indagações da PF por escrito.

Para Celso de Mello, Bolsonaro só poderia depor como deseja se fosse testemunha. Na condição de investigado, precisaria submeter-se a um interrogatório presencial. Por alguma razão, avalia-se no Planalto que Toffoli seria mais compreensivo com Bolsonaro do que o decano. Na última vez em que uma causa de interesse dos Bolsonaro cruzou o seu caminho durante um recesso, Toffoli suspendeu o andamento do processo da rachinha. A suspensão durou seis meses. E foi estendida a todos os processos fornidos com dados do Coaf no país inteiro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

PLANALTO TORCE PARA QUE TOFFOLI OUÇA BOLSONARO E NÃO CELSO DE MELLO – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS NO UOL
Rolar para o topo