Produção em massa de cloroquina pelo Exército ajudou a derrubar Teich – VEJA.COM

Aumento da fabricação do medicamento pelas Forças Armadas subiu de cerca de 250 mil comprimidos a cada dois anos para mais de 500 mil por semana

Por Matheus Leitão – Atualizado em 15 maio 2020, 13h50 – Publicado em 15 maio 2020, 13h29

O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão na manhã desta sexta-feira, 15 José Dias/PR

Uma das pressões que levaram ao anúncio da saída de Nelson Teich do Ministério da Saúde nasceu no Exército, que ampliou em escala nunca vista a produção da cloroquina, medicamento usado contra doenças como malária e lúpus.

Por determinação do presidente Jair Bolsonaro, que tem defendido o uso indiscriminado do medicamento em infectados pelo coronavírus, o Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LQFEx) começou a produzir a cloroquina em larga escala no dia 23 de março, exatamente 52 dias atrás e antes mesmo de Teich assumir a pasta.

A média da produção do laboratório do Exército era em torno de 200 e 250 mil comprimidos a cada dois anos, já que ela era voltada ao consumo interno e para combater a malária. A nova meta de produção, em meio à pandemia, é o de 1 milhão de comprimidos por semana, e já superou os 500 mil a cada sete dias em abril.

Não há comprovação científica de que a cloroquina tem eficácia no combate à Covid-19. Enquanto Luiz Henrique Mandetta foi demitido por defender o isolamento social, Teich foi se desgastando com a negativa em apoiar o uso da cloroquina no tratamento de doentes infectados pelo coronavírus.

Em meio a isso, a produção em massa da cloroquina pelo Exército passou a receber até a ajuda dos laboratórios químicos da Marinha e da Aeronáutica. Sem demanda para a oferta gerada pela nova produção a conta começou a ficar cara de mais. 

Produção em massa de cloroquina pelo Exército ajudou a derrubar Teich – VEJA.COM
Rolar para o topo