Pujol sai com a farda intacta – MATHEUS LEITÃO, VEJA.COM

 Oficiais generais não aceitam que as Forças Armadas sejam instrumento de Bolsonaro e o ex-comandante do Exército vira símbolo dessa resistência

No dia 26 de março, esta coluna contou que crescia entre os militares das Forças Armadas o temor de que eles ficassem marcados na História como sócios da tragédia que foi a gestão da Saúde do atual governo. Hoje,  quando se conversa com os oficiais, eles fazem questão de dizer que o fato de Pazuello ser general não o credenciava para o cargo que aceitou. Em outras palavras, mesmo sendo da ativa, aceitou porque quis.

Nesta terça-feira, 30, os comandantes das três forças entregaram os cargos, num movimento inédito na História do país e em reação à demissão do agora ex-ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva. Mas os comandantes da Aeronáutica, Antonio Carlos Moretti, e da Marinha, Ilques Barbosa Júnior, fazem, na verdade, um movimento de solidariedade ao chefe do Exército, o general Edson Pujol. Ele se tornou símbolo dessa resistência à intervenção.

Foi Pujol que se recusou a politizar os quartéis, apesar de ser diretamente pressionado pelo presidente. Ele se preocupou com a imagem do Exército na crise da Saúde. Pujol sai com a farda intacta. Como já havia comentado neste espaço, nas democracias maduras e estáveis, o nome do comandante do Exército é desconhecido da maior parte da população. E o motivo é simples. Ele não faz, sob nenhuma hipótese, proselitismo político. Mantém a discrição.

Pujol será lembrado por se apor às políticas no quartéis, quando Bolsonaro, acuado, quer dobrar a aposta. Que o exemplo dele seja seguido pelo novo comandante do Exército. Mas também da Marinha e da Aeronáutica. A maioria dos oficiais se preocupa em não ser sócio de aventura política inconstitucional. Bolsonaro pode tirar um comandante, mas dificilmente sujeitará o Exército, dizem fontes militares.

Pujol sai com a farda intacta – MATHEUS LEITÃO, VEJA.COM
Rolar para o topo