Revista francesa visita cidade onde Bolsonaro cresceu e afirma que presidente não é unanimidade – REVISTA LE MONDE, VIA INTERNET

A reportagem da revista semanal do jornal francês Le Monde foi até Eldorado, onde Bolsonaro passou sua adolescência, para investigar o passado do atual chefe de Estado.

A juventude do presidente brasileiro Jair Bolsonaro foi tema de uma longa reportagem publicada na revista semanal do jornal francês Le Monde. O correspondente do vespertino no Brasil foi até Eldorado, no interior de São Paulo, para tentar entender a história do chefe de Estado e descobriu que nem tudo o que se conta sobre sua trajetória corresponde à versão dos moradores do local.

Com o título “O Eldorado perdido de Jair Bolsonaro”, a revista M relata, em sete páginas com texto e fotos, parte da infância e adolescência do atual presidente brasileiro. O jornalista explica que a região, conhecida como Vale da Miséria, foi o local onde o chefe de Estado fez todas as travessuras da juventude, mas também onde inventou “um percurso legendário”.

O correspondente se encontrou com amigos de infância de presidente, como Narcisa dos Santos. Ela conta que, desde jovem, “Palmito”, como Bolsonaro era chamado por causa de sua estatura e sua pele clara, já era ambicioso. Como mostrou certa vez, ao apanhar de Narcisa e gritar, diante da gozação dos coleguinhas, que “se tornaria presidente do Brasil e iria se vingar”.

Aos 11 anos, quando chegou em Eldorado, Bolsonaro era um “brincalhão”, resume o texto. Mas segundo seus colegas, o pré-adolescente muitas vezes era “malvado”. “Ele era terrível (…) Na época, já tinha a língua afiada”, se recorda Narcisa.

História, no mínimo, exagerada
A reportagem descreve em detalhes a cidade e suas histórias, lembrando que, nos anos 1970, Eldorado era muito isolada. Enquanto movimentos de resistência pipocavam pelo Brasil em plena ditadura, a cidade do interior estava “afastada das convulsões do país, bloqueada em um conservadorismo católico do passado”. E, segundo a revista, “a cidade não mudou muito” desde então.

O texto também relata um dos episódios mais emblemáticos da história da pequena Eldorado: a disputa em 1970 entre o grupo de Carlos Lamarca, chefe de uma guerrilha marxista, e a polícia local. Após uma troca de tiros no centro da cidade, o revolucionário fugiu para a mata e, segundo o relato cultivado até hoje nas biografias do presidente, o jovem Jair Bolsonaro, na época com cerca de 15 anos, teria ajudado os militares a encontrar o comunista Lamarca. Esse ato, aliás, teria sido o momento que despertou no atual presidente o fascínio pelo Exército.

“A história é bela. Mas ela é difícil de verificar e, no mínimo, exagerada”, lança a reportagem da revista francesa. “Em Eldorado, ninguém se lembra de ter visto o jovem Palmito dando informações aos soldados”, diz o texto, baseado em relatos de seus amigos de infância.

“Cidade de Bolsonaro não é bolsonarista”
No entanto, mesmo com a mitologia em torno do atual presidente e sua juventude, Bolsonaro não é unanimidade em Eldorado, aponta o texto. “Em 2018, o candidato venceu em ‘sua’ cidade com apenas 54,44% dos votos, ou seja, abaixo dos 55,13% obtidos no âmbito nacional”, calcula.

“A cidade de Bolsonaro não é bolsonarista”, lança o prefeito de Eldorado, Dinoel Pedroso Rocha, entrevistado pela revista. Principalmente porque, “desde que chegou ao poder, o presidente não fez muita coisa pela terra de sua infância”, afirma a reportagem, lembrando que nem mesmo uma ponte, que o atual chefe de Estado prometeu construir para facilitar o transporte sobre o rio Ribeira, saiu do papel.

Apesar de ser conservadora, “a cidade não é um bastião da extrema direita”, enfatiza o texto. Inclusive, deduz a reportagem, na eleição presidencial de outubro que vem, “Lula poderá vencer” em Eldorado, “assim como no resto do Brasil”.

A revista termina contando uma visita a uma das casas onde viveu Bolsonaro que, transformada em um escritório contábil, hoje está irreconhecível. “Ninguém achou interessante transformá-la em um memorial. Em Eldorado, Bolsonaro parece já fazer parte de uma história do passado”, conclui o texto. da revista M

Revista francesa visita cidade onde Bolsonaro cresceu e afirma que presidente não é unanimidade – REVISTA LE MONDE, VIA INTERNET
Rolar para o topo