SALOMÕES DE BOTEQUIM – RANIER BRAGON – FOLHA DE SP

Há coisas que não permitem caminho ao centro, mas uma enfática tomada de posição

Cresce no Brasil o discurso fantasioso em defesa de um centro político ponderado, sereno, conciliador, como forma de aplacar a terrível polarização ideológica entre direita e esquerda.

Entrevistas, artigos e debates pululam aqui e ali em apelo à temperança na vida pública. Tudo muito lindo, salvo alguns inconvenientes.

O primeiro é que a ideia se estrutura sobre uma premissa falsa. Bolsonarismo e petismo são adversários políticos, não polos no campo ideológico tendo ao centro o tal espaço a ser ocupado pelos salomões de botequim. O bolsonarismo de sinal trocado pressupõe um movimento igualmente autoritário, mas estatizante, antirreligioso, operário, socializante. O PT tem muitos integrantes que pensam assim, mas, a não ser na idiotia olavista, não há notícia de que tenha patrocinado uma experiência bolchevique de 2003 a 2016. 

Mesmo que a premissa fosse verdadeira, a cantilena conciliatória embute condescendência com o inaceitável. É uma analogia para lá de surrada, deve já haver leis que a proíbam, mas como não lembrar do receituário Chamberlain-Halifax para lidar com Adolf Hitler?

Há certo tipo de coisa que não permite caminho ao centro, mas, sim, uma enfática tomada de posição. Qual será o ponto de convergência para a defesa da ditadura, por exemplo? Fechar a Câmara ou o Senado? Para que duas casas legislativas, não é mesmo? E para a tortura? Espancamento humanizado? Homofobia pode ter um meio termo? Pastor pode disseminar ódio aos gays em nome da liberdade religiosa?

Outra característica do movimento coluna do meio é a extensa fauna e flora de velhos políticos que tenta se vestir de cordeirinho de centro como forma de sobrevivência política. 

Muito mais do que um centro, de um emcimadomurismo, o país precisa é de um norte. E, qualquer que seja ele, com coragem para combater de forma incondicional ideias e ações antidemocráticas, anti-humanistas e obscurantistas.

Ranier Bragon

Repórter especial em Brasília, está na Folha desde 1998. Foi correspondente em Belo Horizonte e São Luís e editor-adjunto de Poder.

SALOMÕES DE BOTEQUIM – RANIER BRAGON – FOLHA DE SP
Rolar para o topo