Segue a marcha de Bolsonaro para submeter os demais Poderes – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Só não enxerga quem não quer

NÓS CONTRA ELES – Bolsonaro: “As Forças Armadas também estão ao nosso lado” Jorge William/Agência O Globo

Não é preciso ter sangue frio para saber lidar com um presidente da República que chega de repente, quase sem avisar, ao prédio do Supremo Tribunal Federal acompanhado de uma comitiva não prevista de ministros de Estado e empresários. Basta ter coragem e a exata noção da dignidade do cargo que ocupa.

O primeiro amigo de Bolsonaro foi feito de bobo outra vez. O ex-capitão afastado do Exército por indisciplina e falta de ética usou como fralda a toga do ministro Dias Toffoli, duas vezes reprovado no passado em concurso para juiz. Acabou indicado para o tribunal por ter servido bem ao governo de Lula. É a República dos medíocres!

A expressão “primeiro amigo de Bolsonaro” é usada por colegas de Toffoli quando querem criticá-lo. É quase unânime entre eles a opinião de que Toffoli se comporta como um aliado do presidente da República desde o início do seu governo. Encantou-se com a missão a que se propôs: apaziguar as relações entre os Poderes.

É tudo o que não interessa a Bolsonaro. Ele é um fabricante de crises. Não consegue viver sem uma. E, no momento, está à procura de um sócio para segurar na alça dos caixões enterrados todos os dias com vítimas do coronavírus. Toffoli seria o sócio ideal pela posição que ocupa e pelo medo atávico que tem dos que usam farda.

A Praça dos Três Poderes já assistiu à marcha de políticos, encabeçada, à época, pelo presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães em direção ao Palácio do Planalto para protestar contra a intervenção em um banco. Foi no governo de Fernando Henrique Cardoso. O episódio deu em nada. Serviu só para fazer barulho.

Foi para fazer barulho, pôr pilha em seus devotos da extrema direita e desviar a atenção do distinto público dos efeitos da pandemia que Bolsonaro marchou sobre o prédio do Supremo onde não tinha hora marcada. Toffoli foi constrangido a recebê-lo sem reclamar. E a ter seu gabinete transformado em estúdio de propaganda.

Não sabia que Bolsonaro estaria acompanhado de uma grande comitiva. Nem que seu encontro com ele seria transmitido ao vivo nas redes sociais. Muito menos que Bolsonaro comandaria o espetáculo. Foi o que ele fez. Sentou-se ao centro de uma mesa. Falou e passou a palavra quem quis. Por último, a concedeu a Toffoli.

Enquanto falava o presidente do Supremo, Bolsonaro olhava para frente, não para o lado onde Toffoli estava. A certa altura começou a mostrar impaciência com o pronunciamento do anfitrião. Sem disfarçar, chegou a consultar o relógio pelo menos uma vez. À saída da audiência, usou o prédio como cenário para discursar.

Sua performance foi chamada de “presepada”, “molecagem”, “factoide” e “pegadinha” por ministros do Supremo chocados com o que assistiram. Foi tudo isso e muito mais. Foi principalmente um ato de desrespeito a outro Poder. Mais de uma vez, Bolsonaro marchou sobre o Congresso, mas não ousou provocá-lo a esse ponto.

O mau exemplo dado por Bolsonaro aos que o chamam de Mito poderá instigá-los a irem além das ofensas que por ora se limitam a gritos e a exibição de cartazes e de faixas onde pregam o fechamento do Supremo e do Congresso. Acelera a marcha insana para submeter os demais poderes à vontade de um ex-sindicalista militar.

Segue a marcha de Bolsonaro para submeter os demais Poderes – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo