Troféu dos 180 mil vai para.. – ELIANE CANTANHEDE, ESTADÃO


Com plano confuso de vacinas, Saúde quer mesmo é desovar cloroquina contra o ‘bichinho’

Acerta o ministro Paulo Guedes em deixar de lado o foco fiscal e se dispor a destinar até R$ 20 bilhões para a vacinação em massa contra a pandemia. Erra o ministro Eduardo Pazuello ao entrar numa guerra política insana e planejar gastar R$ 250 milhões na distribuição de um remédio encalhado e desautorizado para a covid em todo o mundo. 

Tão fundamental, o equilíbrio das contas públicas é sempre ignorado pelo Brasil, entra governo, sai governo, mas não é hora de pensar nisso e, sim, em como combater o maior mal do século. Dinheiro para vacinação não é gasto, é investimento: na vida, na volta à normalidade, na sustentabilidade do sistema público e privado de saúde, na recuperação da economia e na volta dos empregos.

Não basta, porém, a decisão de investir, é preciso ter no que investir. Ou seja: é obrigatório ter planejamento, cronograma, meta, acordos com fornecedores de luvas, seringas, embalagens, refrigeradores e, o mais importante, vacinas. O Ministério da Economia diz que tem dinheiro, o da Saúde tem o plano? Qual a consistência do que foi entregue ao STF?PUBLICIDADE

Perdido, depois de desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro a negociar a vacina do Instituto Butantã, Pazuello joga datas ao léu e agora fala em dezembro. Mas, se o presidente diz que a pandemia “está no finalzinho”, o que está mesmo no finalzinho é dezembro, é 2020. O que foi feito, foi; o que não foi, não foi. Com o mundo inteiro desesperado por vacinas, os países que chegaram primeiro nas farmacêuticas chegam primeiro aos seus cidadãos. O resto fica chupando dedo.

Sem vacina em tempo e em quantidades seguras, o Ministério da Saúde imagina atalhos espinhosos, como “requisitar” (ou confiscar?) vacinas de quem foi mais diligente e criar um “kit covid” para desovar os estoques de cloroquina encomendados teimosamente por Bolsonaro ao amigão Trump e aos laboratórios das Forças Armadas. Senão, vai ter de prorrogar a validade da cloroquina, como a gente não faz com o iogurte da geladeira, mas eles fizeram com os 7 milhões de testes jogados no almoxarifado da incompetência.

Agora, é torcer para a pressão que partiu de São Paulo chegar ao resto do País e gerar senso de urgência e ação, porque somos 210 milhões e é necessário apostar no máximo de vacinas, com rapidez, segurança e a confiança da população na nossa Anvisa, de tão boa imagem, serviços prestados e quadros de excelência.

Enquanto isso, o País e os próprios governadores se dividem. Ronaldo Caiado (GO), errático, está irado com João Doria (SP) – que “criou dois Brasis, um com e outro sem vacina”, ao anunciar para 25 de janeiro uma vacina ainda sem autorização da Anvisa –, mas passa a mão na cabeça de Bolsonaro, quem efetivamente criou esses dois Brasis.

(Detalhe: médico ortopedista, Caiado já fez 32 testes, todos negativos, mas sua mulher e duas filhas estão com covid. Nenhuma das três tomando cloroquina…)

O curioso, ou drástico, é como as situações se confundem nos Estados Unidos e no Brasil, onde o coronavírus ganha a guerra e vai fazer uma grande festa no Natal e no ano-novo. Há, porém, duas diferenças. Nos EUA, a vacinação está para começar e tudo muda de figura em janeiro. Lá, há definição e horizonte. Cá, indefinição e nebulosidade.

À Globonews, na sexta-feira passada, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta previu uma segunda onda em março/abril e contou como fez de tudo para tentar convencer Bolsonaro da gravidade do vírus, desde um denso documento até explicar que é “um bichinho que entra pelo nariz e passa de uma mão para outra”. E avisou: no pior cenário, se nada fosse feito, o Brasil chegaria a 180 mil mortes em dezembro. Bolsonaro optou pelo ego e os terraplanistas. Para quem vai o troféu dos 180 mil?

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Troféu dos 180 mil vai para.. – ELIANE CANTANHEDE, ESTADÃO
Rolar para o topo