UM DIA INFELIZ PARA A AGENDA POSITIVA – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO, RJ

A PROPAGANDA DE BOLSONARO

Um dia infeliz para a agenda positiva

Jair Bolsonaro e Sergio Moro no lançamento da campanha "Agenda Positiva Regional"

Jair Bolsonaro e Sergio Moro no lançamento da campanha “Agenda Positiva Regional” | Adriano Machado/Reuters

O fenômeno é conhecido em Brasília: quando o governo vai mal nas pesquisas, os governantes concluem que o problema está na comunicação. Ontem o Planalto lançou outra campanha publicitária para exaltar a gestão de Jair Bolsonaro. Vai torrar mais R$ 40 milhões para falar bem de si mesmo.

A ofensiva foi apresentada com pompa, em solenidade no salão nobre do palácio. “Vamos ecoar o que há de bom no governo”, anunciou o secretário Fábio Wajngarten. Ele apresentou 49 filmetes de propaganda. Disse que a campanha, batizada de “Agenda Positiva”, vai “resgatar o orgulho e o sentimento de pertencimento do brasileiro”.

O homem da comunicação de Bolsonaro voltou a atacar a imprensa. Alegou que o chefe seria vítima de “uma insana e abominável perseguição”, movida por veículos “sem limites e sem escrúpulos”. “Vivemos, presidente, numa guerra aberta contra seu governo, seus ministros, o senhor e a sua família”, afirmou.

Wajngarten apresentou um vídeo que constrangeria os marqueteiros oficiais da Coreia do Norte. Na peça, o presidente abraça populares, visita uma criancinha doente e sorri ao lado de Donald Trump. O vídeo termina com uma foto da família Bolsonaro seguida pela logomarca do governo federal. É uma afronta explícita ao princípio da impessoalidade, que veta a exaltação de políticos com dinheiro público.

Apesar do esforço, o secretário não conseguiu vencer o campeonato de bajulação. No outro discurso da tarde, o ministro Luiz Eduardo Ramos informou que está vivendo “momentos muito felizes” com Bolsonaro. “Em que pesem todas as críticas infundadas, presidente, o senhor está arrebentando”, derramou-se. O general também elogiou o brilho dos olhos do chefe, “esses olhos azuis que eu conheci em 73”. Acrescentou que fazia a mesura “de maneira hétera” (sic). Ah, bom.

Para quem pretendia vender uma versão cor de rosa da realidade, o Planalto escolheu um dia infeliz. Horas antes da pajelança, o Ministério Público do Rio fez buscas em 24 endereços ligados a Flávio Bolsonaro e assessores. Os investigadores já rastrearam R$ 2 milhões em depósitos para Fabrício Queiroz, acusado de operar um esquema de rachadinha no gabinete do primeiro-filho. Num dos filmetes apresentados ontem, o locutor diz que o governo está livrando o país da corrupção. Diante do que parece vir por aí, seria melhor maneirar na propaganda.

UM DIA INFELIZ PARA A AGENDA POSITIVA – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO, RJ
Rolar para o topo