UM OVO DE SERPENTE – DORA KRAMER – VEJA.COM

Política

Operação da PF pode transformar Bivar no Roberto Jefferson de Bolsonaro

Jair Bolsonaro e Luciano Bivar

Jair Bolsonaro e Luciano Bivar antes da campanha presidencial: de aliados a rivais dentro do PSL (PSL/Divulgação)

Ainda que não tenha a mão do presidente Jair Bolsonaro, a operação de busca e apreensão em endereços ligados a Luciano Bivar e ao PSL em Pernambuco, como parte das investigações sobre uso de laranjas para o desvio dinheiro público em campanhas eleitorais, dá margem a Bivar levantar essa suspeita e, com isso, colocar a briga entre ele e o presidente em outro patamar, muito mais perigoso.

Cacique partidário há mais de 20 anos, Bivar é experiente no trânsito pelo campo dos negócios de locação de legendas a candidatos e, se tiver informações, digamos, desconfortáveis para a campanha presidencial de Jair Bolsonaro, não hesitará em usá-las. O despertar de iras pessoais nesse setor, notadamente quando envolvem o montante de dinheiro que está no centro dessa briga entre Bolsonaro e o PSL, podem deflagrar crises que não estavam no radar dos contendores.

O escândalo do mensalão, cumpre lembrar, foi deflagrado por uma ação do governo Lula na denúncia de corrupção contra o PTB então presidido por Roberto Jefferson, cuja reação teve efeitos jamais imaginados por José Dirceu, apontado como o arquiteto da escaramuça contra os petebistas.Veja também

UM OVO DE SERPENTE – DORA KRAMER – VEJA.COM
Rolar para o topo