Vamos tolerar uma deputada louvar um ato terrorista e pregar o motim policial? – JOEL PINHEIRO DA FONSECA, FOLHA

Vamos tolerar uma deputada louvar um ato terrorista e pregar o motim policial?
Não acredito que algum delírio golpista será bem-sucedido, mas isso não apaga o fato assombroso de que a democracia, embora resista, esteja sob ataque constante

Um policial militar de Salvador, em surto psicótico, se rebela contra o pelotão e, armado de fuzil, passa a gritar enraivecido e a atirar para o alto. Gritava supostamente em defesa de trabalhadores e contra o lockdown, mas isso não o impediu de jogar as mercadorias e bicicleta de ambulantes no mar. Depois de mais de três horas de negociação com integrantes do Bope, disparou na direção dos policiais. Aí foi preciso agir. O PM foi alvejado, recebeu atendimento médico, mas não resistiu.

Há apenas uma palavra para descrever essa sequência de acontecimentos: uma tragédia. A palavra certa, no entanto, para descrever o ato posterior de lideranças políticas bolsonaristas que usaram essa tragédia para alimentar seu discurso golpista é outra: crime.

Foi o que fez a deputada Bia Kicis ao publicar um tuíte em homenagem ao PM: “Soldado da PM da Bahia abatido por seus companheiros. Morreu porque se recusou a prender trabalhadores. Disse não às ordens ilegais do governador Rui Costa da Bahia. Esse soldado é um herói. Agora a PM da Bahia [p]arou. Chega de cumprir ordem ilegal!”.

Horas depois, apagou o post, se desculpou pelo afobamento sincero e pediu moderação. Mas o dano já está feito, a mensagem já foi passada aos milhares de militantes que infestam as redes sociais e os grupos de WhatsApp com o intuito único de promover paixões sediciosas na população, ao estilo da horda de trumpistas que invadiu o Capitólio americano em janeiro.

Parece um pesadelo, um delírio febril, e é. Mas é também um projeto real: a ala mais alucinada do governo, a militância olavista —à qual pertence Bia Kicis, os filhos do presidente, o ex-chanceler e o assessor Filipe Martins— quer incitar um levante de policiais e soldados amotinados, caminhoneiros e cidadãos de bem armados que derrube Congresso e Supremo e conceda poder absoluto a Bolsonaro.

No mundo real, a banda toca outra música. Enquanto escrevo esta coluna, o governo vai se dissolvendo, e o centrão —e não os olavistas— deve sair fortalecido dessas trocas. Caíram o ministro de Relações Exteriores, o ministro da AGU, a secretária nacional de Educação Básica, um executivo da Petrobras. A demissão que mais chama a atenção, contudo, foi a do ministro da Defesa, Fernando Azevedo.

Em sua carta de demissão, Azevedo diz: “Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado”. Ou seja, admite que a institucionalidade das Forças Armadas precisou ser preservada.

Segundo o que ele próprio teria dito a pessoas próximas, saiu para evitar outro “maio de 2020”, quando Bolsonaro aderiu ao golpismo descarado de manifestantes em Brasília para fechar o STF.

Até agora, nossas instituições e a política têm segurado os piores excessos vindos do governo. Ele tem, inclusive, ficado mais fraco. Não acredito que algum delírio golpista será bem-sucedido. Mas isso não apaga o fato assombroso de que a democracia, embora resista, esteja sob ataque constante, tanto do governo quanto de seus panos de chão no Congresso.

Mesmo mantida a ordem democrática, é aviltante para ela ter uma deputada que chefia a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara louvando o ato terrorista de um policial em surto psicótico e pregando abertamente o motim das polícias. Por sua reiterada promoção de fake news e defesa aberta do golpe violento, Bia Kicis não pode continuar deputada federal. O Conselho de Ética precisa agir.​

Vamos tolerar uma deputada louvar um ato terrorista e pregar o motim policial? – JOEL PINHEIRO DA FONSECA, FOLHA
Rolar para o topo