VELHOS, POBRES E BURROS – HELIO SCHWARTSMAN – FOLHA DE SP

Reforma da Previdência traz apenas um alívio momentâneo

Passou a reforma da Previdência. É uma boa notícia. Não devemos, porém, cair na tentação de achar que tudo está resolvido. As medidas aprovadas trazem apenas um alívio momentâneo e não nos dispensam nem de continuar atentos às contas previdenciárias, nem de promover outras reformas estruturais, talvez mais difíceis do que a recém-aprovada.

No que diz respeito especificamente à Previdência, receio que tenhamos perdido uma oportunidade de evitar crises futuras, o que teria sido possível se tivéssemos adotado um mecanismo móvel pelo qual as condições para alcançar a aposentadoria vão se alterando automaticamente, à medida que as mudanças na estrutura demográfica do país se materializam.  

Do jeito que ficou, em dez ou 15 anos será necessário promover uma nova reforma, e já podemos antecipar um novo ciclo de difíceis negociações para impor outra bateria de medidas indigestas, mas inevitáveis.

Também não devemos esquecer que as mudanças na Previdência evitam o pior, mas ficam ainda aquém de resolver o nó fiscal brasileiro. A Constituição de 88 criou um sistema generoso de seguridade social, o que me parece ótimo. É preciso, porém, financiá-lo.

Até aqui, sucessivos governos recorreram ao aumento da carga tributária. Essa saída tem um limite, e é provável que o Brasil já o tenha alcançado (estou falando da carga total, e não de como ela é distribuída). Sem cobrar proporcionalmente mais impostos, o caminho que resta para custear o sistema é nos tornarmos mais ricos (crescimento).

O modo usual de ficar mais rico é tornar-se mais produtivo, um indicador em que o Brasil patina há décadas. Pior, o jeito mais óbvio de aumentar a produtividade do trabalhador é educá-lo, outra variável em que o país é péssimo. E tudo isso ocorre em meio a outra má notícia, que é o fim do bônus demográfico.

A triste verdade é que o Brasil ficou velho antes de ficar rico e educado.
 

Hélio Schwartsman

Jornalista, foi editor de Opinião. É autor de “Pensando Bem…“.

VELHOS, POBRES E BURROS – HELIO SCHWARTSMAN – FOLHA DE SP
Rolar para o topo